C

Campo Elétrico
É uma grandeza gerada por cargas elétricas, em movimento ou não, em uma região ou objeto, que interagem entre si, resultando numa energização dinâmica ou estática respectivamente. As cargas em movimento é que formam um fluxo de fornecimento de energia conduzida num dado circuito elétrico.

Campo Eletromagnético
Campo físico determinado pelo conjunto de quatro grandezas (Campo Elétrico, Indução elétrica, campo magnético e indução magnética), que caracterizam os estados elétrico e magnético de um meio material. Fenômemo gerado pelas grandezas mencionados quando é combinado força da carga elétrica com velocidade num condutor.

Campo Magnético
Fenômeno decorrente da indução magnética em condutores, gerando uma rotação das cargas elétricas formando um campo em torno do condutor.

Campo Visual
Extensão angular do espaço no qual um objeto pode ser percebido, quando os olhos observam frontalmente. O campo pode ser monocular ou binocular. Compreende no sentido do foco central da visão às adjacências do campo visual os seguintes divisores: Campo Visual Central; Tarefa Visual; Em torno e Campo Visual Periférico. Ver Acuidade Visual.

Candela
Unidade de medida da intensidade luminosa, equivalente à 1/60 da intensidade luminosa de 1 cm² da superfície de um corpo negro na temperatura de solidificação da platina. Oriunda sempre de uma fonte de luz refletora formando um ângulo sólido com vértice na fonte, diferenciando-se do fluxo luminoso pela característica de luz direcional. Unidade (cd). Ver Intensidade Luminosa.

Capacitância
Grandeza escalar que caracteriza a propriedade que tem um sistema de condutores e de dielétricos a estes associados, de armazenar energia quando é submetido a um campo elétrico. Ver Capacitor; Fator de Potência e Banco de Capacitores.

Capacitor
Dispositivo elétrico utilizado para introduzir capacitância num circuito. Este dispositivo permite corrigir o fator de potência. Como consequência teremos uma maior eficiência energética, devido ao melhor aproveitamento de carga da rede elétrica. Na iluminação os capacitores usados são os de partida. Os capacitores cerâmicos também filtram a distorção de harmônicas. Ver Capacitância; Fator de Potência; Banco de Capacitores e Medidor de Fator de Potência.

Carga Instalada
Soma das potências nominais dos equipamentos elétricos instalados na unidade consumidora, em condições de entrar em funcionamento, expressa em quilowatts (kW).

Cátodo
Eletrodo negativo que funciona normalmente como emissor de elétrons. Exemplo: Em cada extremidade de uma lâmpada fluorescente qualquer, existe um cátodo que é responsável pelo bombardeamento com elétrons das partículas de mercúrio internas do tubo, que por sua vez, se chocam com a parede da lâmpada revestida com fósforo causando o efeito “fluorescente”.

Choque Elétrico
Efeito patofisiológico que resulta da passagem de uma corrente elétrica através de um corpo humano ou animal. Ocasionado normalmente por contatos mal isolados; por condutores nús; por superfícies condutoras energizadas; aterramentos mal feitos, ou ainda por simples efeito da energia estática de um corpo com um meio físico, independente de circuitos elétricos.

Ciclo Halógeno
Os filamentos das lâmpadas incandescentes em geral são feitos de tungstênio que é gasto pelo uso ao longo da vida do produto. Com a introdução de gases inertes e halógenos no interior do bulbo, ocorre uma combinação destes com as moléculas de tungstênio que se desprendem com o tempo. Esta combinação é eletricamente instável, fazendo com que as moléculas combinadas se desprendam novamente, depositando o tungstênio de volta no filamento. As consequências benéficas são a regeneração do filamento e a limpeza do bulbo dos fragmentos de tungstênio. Isto amplia a vida útil das lâmpadas halógenas em relação as incandescentes comuns. Ver Halogênio.

CIE
Comission Internacionale de’Eclairage, ou Comissão Internacional de Iluminação. Organização devotada para a cooperação internacional e intercâmbio de informações entre todos os seus membros em matérias referentes à iluminação. End.do Escritório Central: Kegelgasse 27 A-1030 Viena – Áustria.

Cinta
Ferragem de linha aérea que se fixa em torno de um poste para prover apoio de sustentação para outra ferragem, como um braço de luminária por exemplo.

Cintilação
Em inglês flicker. É o fenômeno da flutuação do fluxo luminoso de uma lâmpada fluorescente provocado por instabilidade da rede elétrica. Este efeito também ocorre em sistemas que utilizam reatores de baixa qualidade, que não tem controle apurado da corrente e da tensão, provocando esta falha nas lâmpadas fluorescentes ligados no circuito. Não confundir com efeito estroboscópico. Ver Efeito Estroboscópico e Reatores Eletrônicos .

Circuito Elétrico
Segmento de condutores elétricos que compõem uma seção de uma rede elétrica maior. Conjunto de equipamentos elétricos alimentados por uma mesma fonte e protegidos pelos mesmos disjuntores ou fusíveis.

Classe de Consumo
Conjunto de Consumidores, discriminados na legislação, no qual a utilização de energia elétrica, é realizada com características semelhantes. Esta distinção está nas contas de energia e determina o tipo de tarifa cobrada. Ex: Consumidor Residencial, Comercial, Industrial, Iluminação Pública etc.

Coluna ( Tocheiro )
Luminária composta por um tubo com base de sustentação para acomodação no piso e corpo refletor ou difusor no topo. Quando utilizado com lâmpadas incandescentes e halógenas, pode vir com dímer. A coluna é introduzida num ambiente como fonte de luz indireta e peça decorativa, normalmente disposta nos cantos devido a seu tamanho e também para não conflitar com a fonte de luz central do teto. É necessário que o ambiente tenha um pé direito relativamente baixo, pois do contrário o efeito da Luminância no teto se perde. Ver Luminária; Iluminação Difusa; Dímer e Potenciômetro.

Comando em Grupo
Dispositivo utilizado para comutar vários pontos de luz, ampliando a capacidade de potência do comando automático.

Comando Individual
Dispositivo utilizado para comutar o circuito de um único ponto de luz. Ver Relé Fotelétrico.

Comprimento de Onda
Uma fonte de radiação eletromagnéticas emite ondas. Estas ondas possuem diferentes comprimentos, e o olho humano é sensível a uma pequena faixa destes comprimentos, onde teremos a luz visível a nossa percepção, de 380 a 780 nm, aproximadamente. Unidade de medida nanômetro. Símbolo (nm). Ver Nanômetro; Espectro eletromagnético; Radiação Eletromagnética; Radiação Infravermelha; Radiação Ultravioleta e Luz ( Espectro Visível ).

Comutador
Mecanismo que proprociona o efeito de intercambiar circuitos. Este dispositivo de manobra mecânico, elétrico ou eletrônico, realiza a função principal de transferir a ligação existente de um condutor ou circuito para outros. Ver Relé Fotelétrico e Contator.

Condições de Operação
Condições informadas pelo fabricante, dentro das quais o equipamento pode funcionar.

Condições Nominais de Operação
Condições que caracterizam a operação de um sistema ou equipamento elétrico, dentro da faixa de variação permitida para os seus valores nominais.

Condutor Elétrico
Produto normalmente metálico utilizado para transportar a energia elétrica e distribuí-la numa rede ampla. Neste conceito enquadramos os fios, cabos e cordoalhas. Mas, também são condutores quaisquer objetos que possuam esta propriedade e que por descuido na instalação, façam contato com um circuito elétrico, energizando-se, podendo provocar choques elétricos, corrente de fuga ou até incêndios. Ver Choque Elétrico, Corrente de Fuga e Acúmulo de calor.

Conectores
Dispositivos de aplicação rápida, utilizaddos para realizar emendas ou ligações elétricas através de meio mecânico (parafusos, compressão, travas etc). Ver Isolação Elétrica; Nível de Isolamento e Fita Isolante.

Conforto Visual
Grau de satisfação visual produzido pelo ambiente iluminado. Propõe reduzir ofuscamentos visuais, equilibrar a iluminância e ampliar a reprodução de cores, permitindo que o olho tenha uma perfeita dimensão dos espaços do ambiente, volume das formas, texturas dos materiais e fidelidade de cores. Ver Acuidade Visual ; Fotossensibilidade ; Ofuscamento ; Efeito Luz e Sombra ; Obstáculo Visual ; Luminância ; Iluminância e IRC ( Índice de Reprodução de Cores ) .

Conjunto Ótico
É composto pelo refletor e refrator de uma luminária sendo responsável por todo o controle, distribuição e direcionamento do fluxo luminoso da lâmpada nela instalada. Ver Curva de Distribuição Luminosa ou Fotométrica e Fluxo Luminoso.

Consumo de Energia
Quantidade de energia elétrica utilizada por um consumidor, que é oferecida e medida pela distribuidora do sistema elétrico num determinado pedíodo. A grandeza que a define é o kWh (Quilowatt-hora), e sua unidade base é o Watt. Ver Objetivos da Iluminação Artificial; Iluminação Zenital; Eficiência Energética; Potência; Densidade de Potência; Acúmulo de Calor e Joule.

Contato
Interface de duas superfícies condutoras que se tocam fechando um circuito elétrico. Contatos NF ( Normalmente Fechados ) e NA ( Normalmente Abertos ), que designam a posição padrão de funcionamento.

Contator
Dispositivo conhecido também como relé eletromecânico. Possui uma bobina para acionar um par, ou mais, de contatos, todos com acesso externo ao dispositivo. Ver Comutador.

Contraste
Avaliação subjetiva da diferença em aparência de duas ou mais partes de um campo de visão, vistas simultaneamente ou sucessivamente.

Cor ( Espectro Visível )
Dentro de uma faixa de radiação compreendida entre 380 e 780 (nanômetros), existe a incidência de luz visível ao olho humano. Este espectro vai do infravermelho ao ultravioleta, passando pelas faixas de comprimento de onda vermelha 628-780 nm; alaranjada 590-627 nm; amarela 566-589 nm; verde 496-565 nm; azul 436-495 nm e violeta 380-435 nm. Cada objeto destaca em si uma ou mais cores que sobressaem, enquanto o mesmo sofrer a ação de um facho de luz visível. Ver Luz ( Espectro Visível ); Comprimento de Onda; Matiz, Aparência da luz; Cromaticidade; Temperatura de Cor e Temperatura de Cor Correlata ( TCC ).

Cor Objeto
É a cor refletida ou transmitida por um objeto quando iluminado por uma fonte de luz padrão.

Cor Percebida
É o resultado da interação de muitos fatores complexos, como as características do objeto observado ou fonte luminosa; a luz inicidente no objeto; o meio ambiente; o eixo da visão e a adptação do observador.

Cor Psicofísica
É a capacidade de um observador em distinguir conjuntos de luz de mesmo tamanho; forma e estrutura, o que reduz a análise para a descrição da luz em termos de quantidade de potência da radiação.

Corpo Negro ( Radiador de Plank )
É o corpo que absorve todas as radiações incidentes sobre si, independente da direção e da polarização das ondas eletromagnéticas. Este corpo tem para qualquer comprimento de onda a máxima concentração a uma determinada temperatura. Constitui-se num corpo metálico negro que apresenta um valor de 100% de absorção de energia, e portanto quando aquecido apresenta uma variação da sua cor devido ao implemento de calor. À medida que as temperaturas térmicas, medidas na escala Kelvin, crescem, seu espectro segue do infravermelho, passando pelo espectro visível, até atingir o ultravioleta e o ponto de fusão. Esta escala de cor, medida à partir desta correlação do efeito luminoso da incandescência do corpo negro, delimitou a referência de temperaturas de cor. Ver Temperatura de Cor; Temperatura de Cor Correlata ( TCC ); Cor ( Espectro Visível ); Cromaticidade; Kelvin; Absorção de Energia; Joule e Aparência da Luz.

Corrente Alternada
Corrente periódica, cujo valor médio é igual a zero. Esta corrente oscila polaridades positiva e negativa num mesmo condutor. A frequência deste fenômeno de alternância peródica é medida em Hertz (Hz). Padrão Brasileiro 60 Hz. Corrente habitualmente encontrada em toda rede elétrica distribuída pela malha de uma Distribuidora de Energia: Residências, Condomínios, Comércio, Clubes, Estádios, Indústria e demais edificações. Ver Corrente Elétrica; Ampére; Sentido da Corrente e Sobrecorrente.

Corrente Contínua
Corrente cujo valor é independente do tempo. Não provoca oscilações de polaridades. Por definição é uma corrente em que o componente essencial é a continuidade. Encontrada em circuitos com baterias, pilhas e acumuladores de energia em geral. Ex: Veículos, Barcos, Aviões, Aparelhos à pilha e similares.

Corrente de Curto Circuito
É uma corrente muito elevada e várias vezes superior a corrente limite nominal dos condutores, que é gerada por um curto circuito. Esta corrente pode ser originária da rede elétrica ou de algum equipamento elétrico com as fases cruzadas. Como consequência deste fenômeno é gerado um sobreaquecimento intenso no circuito, proporcionando o risco de incêndios e queima prematura de aparelhos elétricos. Ver Corrente Elétrica e Curto Circuito.

Corrente de Fuga
Corrente de condução que, devido a isolamento imperfeito, percorre um caminho diferente do previsto, e flui para elementos condutores estranhos a instalação. Note que os isolamentos, mesmo os mais perfeitos, proporcionam alguma corrente de fuga, mas a qualidade do serviço de isolamento manterá esta corrente em níveis aceitáveis. As distorções de corrente de fuga, devido a trabalhos mal feitos, causam perdas de energia, gerando consumo desnecessário que refletirá na conta de energia.

Corrente de Partida
Valor de “pico” da corrente que resulta da aplicação da tensão em condições especificadas, ocorrendo em alguns instantes à partir do acendimento de uma lâmpada. Ver Corrente Elétrica.

Corrente Elétrica
Fluxo de carga elétrica de um condutor. Unidade Ampére. Ver Ampére; Corrente Alternada; Corrente Contínua; Corrente de Fuga; Sentido da Corrente.

Cromaticidade
Qualidade percebida da cor, que um estímulo de radiação espectral visível define por suas coordenadas cromáticas e pelo dominante comprimento de onda. Para que o olho humano tenha uma interpretação mais adequada da realidade cromática a sua volta, é necessário que o nível de iluminância esteja apropriado, assim como haja um bom desempenho da fonte de luz em reproduzir bem as cores. Também relacionada diretamente à temperatura de cor aparente de uma fonte de luz. Ver Curva da Eficácia Luminosa Espectral; Cor ( Espectro Visível ); IRC ( Índice de Reprodução de Cores ); Temperatura de Cor; Young-Helmholtz e Cor Percebida.

Curto Circuito
Ligação intencional ou acidental entre dois ou mais pontos de um circuito com impedância desprezível. Este termo também se aplica onde dois ou mais pontos que se encontram sob diferença de potencial. A consequência direta é uma sobrecorrente intantânea elevada e perigosa para o circuito. Utilizar sempre disjuntores para proteção dos circuitos elétricos que desligam a rede na eventualidade deste fenômeno.

Curva da Eficácia Luminosa Espectral
O olho humano não consegue perceber a luz e as cores de forma uniforme. Existe um período de adaptação longo para a passagem de um ambiente claro para um ambiente escuro, o contrário se processa de forma mais rápida. Em ambientes mais claros percebemos melhor as cores do espectro de 554 nm (verde/amarelo), enquanto que em ambientes mais escuros percebemos melhor o espectro de 507 nm (azul/verde). Este fenomeno é denominado “Efeito Purkinje”. Este conceito é valioso para a luminotécnica, visto que a mudança de zonas claras para zonas escuras e vice-versa, provocam o deslocamento da visão das cores e uma indesejável fadiga visual. Ver Acuidade Visual; Conforto Visual; Acomodação Visual; Ofuscamento e Obstáculo Visual.

Curva de Distribuição Luminosa ou Fotométrica
Curva apresentada geralmente em coordenadas polares, que representa a intensidade luminosa em um plano de trabalho que passa através da fonte (lâmpada e luminária), em função de um ângulo medido à partir desta fonte de luz em direção do plano de trabalho. Esta curva pode distinguir a eficiência de uma luminária. Símbolo CDL, unidade de medida candelas (cd). Ver Diagrama Isolux.

Curva de Isoiluminância
Lugar geométrico dos pontos de uma superfície nos quais a iluminância tem o mesmo valor. O termo “curva isolux” utilizado no passado é obsoleto.

Curva de Isointensidade
É a curva traçada sobre uma esfera imaginária com centro coincidente com o centro luminoso da fonte, ligando todos os pontos correspondentes às direções que possuem a mesma intensidade luminosa, ou uma projeção dessa curva sobre um plano. O termo “curva isocandela”, utilizado no passado está obsoleto.

Localização

R. Ari Barroso, 203
Parque Boa Vista I
D. de Caxias
RJ, 25085-480

Telefones


(21) 25 16-5630
(21) 3842-6005
(21) 3842-6006

Redes Sociais

Siga-nos

Email


contato@mercolux.com.br

comercial@mercolux.com.br

MERCOLUX Todos os direitos reservados. Desenvolvido por INFINITY MARKETING